SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

14 de mai de 2015

Crise anunciada: Presidente do Sindpol/MG e direção sindical requerem providência ao Chefe de Polícia com relação à crise institucional agravada após mais uma agressão a policial civil por PMs em Teófilo Otoni.

Conflitos entre policiais civis e militares pode comprometer integração
A direção do Sindpol/MG, na tarde desta terça-feira (12/05), recorreu até o Chefe de Polícia, Dr. Wanderson Gomes, a exemplo do que já havia sido feito através de contato telefônico, mais uma vez reforçou o pedido de providências e medidas cabíveis no tocante ao grave incidente ocorrido em Teófilo Otoni, no qual mais um investigador foi vítima da violência, truculência e arbitrariedade da PM em suas abordagens abusivas. O presidente Denilson Martins e o diretor regional da Zona da Mata, Marcelo Armstrong, cobraram do Chefe da Instituição maior celeridade nos casos envolvendo policiais civis vitimados pela ação abusiva e arbitrária da Polícia Militar, ele destacou o caso do investigador Vandir Rodrigues Ferreira que há quase um ano foi brutalmente executado por PMs e ninguém foi preso, nenhum inquérito foi relatado, e sequer um pedido de prisão preventiva foi aviado ao Poder Judiciário, e o sentimento de injustiça e impunidade impera em toda a região.
No outro lado o Comandante local da organização, Cel. Pinheiro se posta de forma insolente, recalcitrante, desobedecendo à requisição da Polícia Civil em apresentar os autores de mais uma agressão a policial civil, demonstrando desvelo e indiferença à legislação vigente e autoridade constituída do Delegado de Polícia e da Polícia Civil. Esse tipo de comportamento e conduta desse agente público piora e agrava ainda mais os ânimos dos componentes de ambas as corporações naquela região, podendo chegar a proporções inimagináveis, como repercussões indesejáveis e de difícil reversão. Diante de todos esses fatos se torna insustentável a permanência do referido comandante à frente de missão tão relevante e fundamental para a Segurança Pública, sob pena de sua persistência resultar em danos maiores e irreparáveis para a Política de Estado.
Os dirigentes sindicais alertaram ao Chefe que esses atos promovidos por integrantes da PM estão sendo interpretados pela categoria policial civil com ações paralelas e preordenadas para dificultar e empecilhar o processo natural e necessário de valorização e reestruturação da Polícia Civil, que amargou nos últimos anos o pior sucateamento de sua história, em detrimento de uma atenção diferenciada à instituição militar pelo governo passado. Os dirigentes também já acrescentaram que já ronda rumores de que essas ações de agressões a policiais civis somado a pro-atividade em entupir e congestionar presos nas unidades policiais civis e delegacias,  associada a medida de se proibir o ingresso de novos presos no Sistema Prisional por parte do MP e do Poder Judiciário, trata-se de um estratagema para boicotar e desgastar a Secretária de Estado de Defesa Social e seu titular da pasta, como retaliação a retomada de prestígio, postos e status de valorização, medidas que merecem a devida atenção do Governo e das autoridades.

FONTE:http://www.sindpolmg.org.br/pagina/4233#.VVUtCeNdW0Z

Nenhum comentário:

Postar um comentário