SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

27 de mar de 2013

Sindicato cobra rigor em apuração de ameaças contra agentes penitenciários em Londrina.


  • Pauline Almeida
O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen) cobra rigor na apuração de denúncias de ameaças contra a categoria. O clima de insegurança nas unidades prisionais deixa os trabalhadores preocupados.

Em Londrina, um agente chegou a registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil, comunicando o recebimento de ameaças de morte. O diretor do Sindarspen no município, Adilson de Moura, confirmou a existência de problemas.
"Temos problemas sim, tem agente que já registrou BO. Nós orientamos, temos o departamento jurídico, isso vai para a delegacia e nós encaminhamos. Problemas no sistema penal têm sim e Londrina não foge à regra, até pela proximidade com São Paulo", colocou à reportagem de odiario.com na manhã desta terça-feira (26).

Rádio Educadora FB
Sindicato cobra rigor em apuração de ameaças contra agentes penitenciários em Londrina
Agentes tiveram carros riscados na PEL II

Na segunda-feira (25), carros de agentes da unidade 2 da Penitenciária Estadual de Londrina (PEL) foram riscados. Moura informou que o sindicato está pedindo providências para apuração dos fatos às forças policiais e ao governo do Estado.
Ele defende que é necessário a melhora das condições dos presos para que os agentes não tenham que trabalhar em um ambiente hostil. Além disso, pede contratações para diminuir uma "defasagem histórica" no quadro de profissionais.
"Se você está em um número bem menor que os presos, fica um pouco difícil. A gente vem cobrando no sentido de melhorar o ambiente profissional, de não faltar coisas básicas para os detentos, como papel higiênico, creme dental, médico, dentista. Para que esses caras não sejam massa de manobra na mão de facções", argumentou.
Protesto das famílias
As famílias dos detentos também não estão satisfeitas com o tratamento destinado a eles. Nessa segunda-feira, pela segunda semana seguida, elas fizeram um protesto em frente à PEL II, denunciando agressões.
Representantes da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Pastoral Carcerária chegaram a se reunir com o diretor da unidade para intermediar as reivindicações dos parantes.

FONTE: odiario.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário