SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

16 de mar de 2013

I Fórum de Debates em Natal-RN.


Diversos segmentos da segurança pública e, em especial, do sistema penal, participaram de um grande debate, na manhã de ontem (15), colocando em foco a problemática da violência urbana e a insegurança proveniente dos presídios brasileiros. Os problemas enfrentados por agentes públicos e, consequentemente, pela sociedade, foram temas de I Fórum sobre Segurança Pública e Sistema Penal, promovido pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte, na Assembleia Legislativa.
O encontro levantou pontos como superlotação, fugas, reincidência, falta de estrutura e desvalorização dos profissionais que trabalham nessa área. O advogado Paulo César Ferreira Costa, atual presidente da Comissão de Criminalista da Ordem dos Advogados do Brasil no RN. "Recebo diariamente reclamação de advogados que afirmam que chegam em Alcaçuz e passam 1h30 para falar com o preso. De cara, eu pergunto se esse advogado tem ideia de quantos agentes trabalham naquele presídio e quantos presos estão custodiados lá. Ou seja, está claro que falta efetivo. Inclusive, nós da OAB-RN vamos fazer um levantamento técnico e cobrar do Governo do Estado que esse problema seja resolvido", afirmou.
"O que queremos", explicou Vilma Batista, "é chamar atenção da sociedade para essa questão que reflete diariamente na vida de todos. Quando há uma fuga em um presídio, não tenham dúvida que aquele criminoso vai para as ruas assaltar e matar. Ou seja, o caos no sistema penitenciário tem que ser encarado como um problema de todos e não apenas de nós agentes penitenciários", A presidente do Sindasp-RN comandou o Fórum de Debates e cobrou também a valorização da classe. "Recentemente, a presidente Dilma Rousseff vetou o porte ilegal de arma para agentes. Não podemos aceitar esse desrespeito e, por isso, levantamos essa bandeira em todo o Brasil. Fóruns como esse deverão acontecer em vários estados e estamos muito felizes por ter sido o Rio Grande do Norte o primeiro", completou.
O Coordenador Nacional de Políticas Parlamentar e Inspeções nas Unidades Prisionais, Francisco Rodrigues Rosa, que está no Rio Grande do Norte representando a Federação Nacional e avaliando as condições do sistema potiguar, falou sobre as dificuldades que o próprio sistema já passa em todo Brasil, porém, ressaltou mais ainda as barreiras que o Governo Federal impõe, como o veto ao porte de arma integral.
"Foi o próprio ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, depois de dez anos passados do governo do Partido dos Trabalhadores, que ousou falar que presídio é inferno e que ele prefere a morte a ter que entrar lá como cliente social. Esqueceu esse senhor, no entanto, que ele já tem um ano de mandato e que ele administra o Fundo Nacional Penitenciário, com mais de R$ 328 bilhões sob seu comando", disse ele.
Francisco Rodrigues completou afirmando que são os agentes os responsáveis por explicar aos presos que eles estão vivendo em um inferno. "Somos nós, no entanto, que temos que dizer ao preso que está doente que não há remédio nem médico, que não há colchão, que não tem advogado para ele. Por esse motivo, o ranço de ódio gerado por todas essas frustrações daqueles que estão dentro desse 'inferno' se volta contra nós mesmos, impedindo o direito de ir e vir dos agentes penitenciários", disse. 
"Em estados como Rio de Janeiro e São Paulo, a categoria "nem mesmo ousa andar na rua vestido com uma camisa de agente penitenciário", completa o também presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário