SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

14 de out de 2012

Secretário Beltrame diz que Rio não terá mais uma Faixa de Gaza.


RIO - O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, disse no início da tarde deste domingo que a ocupação de Manguinhos e Jacarezinho aconteceu em tempo recorde, sem disparos de tiros e sobretudo com vidas preservadas. Beltrame agradeceu a todos os envolvidos na operação, que, segundo ele, foi iniciada antes mesmo da ocupação efetiva da região.
- O importante agora é a devolução do território à sociedade e, sobretudo, das vias de trânsito que cortam a região, por onde passam milhões de cariocas todos os dias. Com essa ocupação, não teremos mais uma Faixa de Gaza - disse ele, durante entrevista coletiva. .
O balanço completo da operação ainda não foii divulgado. Até o início da tarde deste domingo, o Batalhão de Choque da Polícia Militar apreendeu uma quantidade ainda não contabilizada de cocaína no Complexo de Manguinhos. Além disso, policiais encontraram rádios e material para endolação. Uma central ilegal de TV a cabo foi desativada pela Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) no Jacarezinho. Dez motos roubadas também foram apreendidas. As apreensões serão levadas para 21ª DP (Bonsucesso).
Segundo a Secretaria de Segurança, 2.050 homens estão envolvidos na ação, entre policiais militares, civis, federais, militares da Marinha e Polícia Rodoviária Federal. Antes da ocupação, tratada como "Dia D", as forças de segurança já estavam realizando trabalhos de contecção para evitar migração dos bandidos de sete comunidades do Rio e Baixada Fluminense. Nesse período, foram presos 51 pessoas - 33 delas nas sete comunidades alvos (entre elas Chapadão, oJuramento e Chatuba, em Mesquita). No total, 21 armas foram apreendidas (entre elas três fuzis, uma submetralhadora e cinco granadas). Só na terça-feira, 30 quilos de pasta base de cocaína da Bolívia, que seriam distribuídos na Favela do Mandela, foram apreendidos pela Polícia Civil. Neste domingo, foram apreendidos no Jacarezinho mais 10 quilos de pasta base, que teria a mesma procedência.
Cinco horas depois do início da ocupação do Complexo de Manguinhos e da Favela do Jacarezinho, o governador Sérgio Cabral disse que a primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP)da região será instalada até dezembro e irá beneficiar os moradores de Manguinhos, Varginha e Mandela. Já a Favela do Jacarezinho receberá UPP em janeiro. Enquanto isso, segundo o governador, a polícia continuará ocupando a região.
- Não é uma ação temporária, é uma ação de pacificação, que encurrala os criminosos e diminui a força do poder paralelo. A presença das forças de segurança em Manguinhos e no Jacarezinho é definitiva - afirmou.
Acompanhado do vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, Cabral anunciou ainda uma série de medidas que serão colocadas em prática a partir da ocupação das comunidades. Segundo ele, a região irá receber investimentos para a construção de 9 mil imóveis do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Além disso, o governador anunciou a desapropriação da Refinaria de Manguinhos, que irá passar por um processo de descontaminação do solo, para que a região seja utilizada para a população que mora nas comunidades. O investimento previsto é pode chegar a R$ 200 milhões.
O Complexo de Manguinhos e a Favela do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, foram retomados pelas forças de segurança na manhã deste domingo. De acordo com a Secretaria de Segurança, as duas comunidades foram totalmente ocupadas em 20 minutos. A operação começou por volta de 5h. Seis blindados da Marinha e cinco da Polícia Militar auxiliaram os policiais na ocupação de Manguinhos. Equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) entraram na comunidade dentro de tanques e foram seguidas por outros carros da polícia. Na chegada dos militares, alguns fogos de artifício foram lançados, mas não houve confronto. As equipes contam com retroescavadeiras para retirar barreiras colocadas por traficantes nos acessos da comunidade. Um blindado da Marinha chegou a passar por cima de uma delas, feita de concreto. Na Favela do Jacarezinho, ocupada pela Polícia Civil, cerca de seis tiros foram disparados na chegada dos agentes. Uma pessoa ficou ferida por estilhaços. O rapaz, ainda não identificado, foi atendido pela ambulância da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Segundo a polícia, ele colocava fogo em uma barricada em um dos acessos à comunidade. Ainda não há informações sobre o estado de saúde do suspeito. Os traficantes colocaram barreiras para impedir a entrada dos comboios.
Em Manguinhos, policiais do Bope tiveram que usar explosivos para destruir uma barreira na Rua Gil Gaffré. Há cerca de um mês, uma outra barreira já havia sido retirada do local pelos agentes. Desta vez, a estrutura foi colocada junto a uma residência. O Bope usa uma retroescavadeira para não prejudicar a casa. As forças das polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal continuam nos dois complexos em operações de buscas de criminosos e apreensões de armas, drogas, objetos roubados. Até o momento, segundo o comandante do Bope, coronel René Alonso, já foram apreendidos 10 kg de maconha perto de torres de transmissão de energia em Manguinhos. Policiais do Bope também apreenderam uma submetralhadora e 12 carregadores na comunidade. Policiais do Batalhão de Choque ainda encontraram, em um barraco abandonando, equipamentos hospitalares, como material cirúrgico, bombas de oxigênio e equipamentos para tratar feridos. Segundo os policiais, o local funcionava como uma enfermaria do tráfico. No Jacarezinho, a polícia apreendeu cerca de 10 kg de pasta base de cocaína.
Representantes de todas as forças de segurança que participaram da ocupação hastearam as bandeiras do governo do estado e do Brasil na localidade conhecida como Praça do Meio, em Manguinhos.O hasteamento das bandeiras simboliza a chegada da pacificação na região. Contêineres que servirão de base para a polícia já chegaram ao local.
Os policiais do Bope e fuzileiros navais deixaram, por volta de 4h50m, o Centro de Farmácia da Marinha, em Benfica, onde estavam concentrados, e seguiram para as favelas. A polícia ocupa as comunidades para dar início ao processo de pacificação da região. A Secretaria de Segurança informou que mais de 2 mil homens, entre policiais militares, civis e federais, além de fuzileiros navais, estão mobilizados na operação.
A PM informou que cerca de 1.300 homens foram deslocados: 900 policiais do Bope, do Batalhão de Choque (BPChq), do Batalhão de Ação com Cães (BAC) e do Grupamento Aéreo-Marítimo (GAM) estão em Manguinhos, enquanto 400 policiais atuam na Baixada Fluminense e nas zonas Norte e Oeste, no cerco e busca de armas, drogas e criminosos em várias ruas e comunidades.
Segundo a Secretaria de Segurança, a PM atua na incursão das favelas de Manguinhos, Mandela, Varginha, enquanto 165 agentes da Polícia Civil dão apoio na comunidade do Jacarezinho, vizinha ao Complexo de Manguinhos. Os policiais são da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e de várias delegacias distritais e especializadas. Ele contam com o apoio de dois helicópteros. Outros 300 policiais civis também estão mobilizados na operação. Além da Core, as delegacias envolvidas na operação são: 18ª DP (Praça da Bandeira), 19ª DP (Tijuca), 21ª DP (Bonsucesso), 22ª DP (Penha), 23ª DP (Méier), 24ª DP (Piedade), 25ª DP (Engenho Novo), 26ª DP (Todos os Santos), 28ª DP (Campinho), 29ª DP (Madureira), 37ª DP (Ilha do Governador), 41ª DP (Tanque) e 44ª DP (Inhaúma), DDSD, DPCA, DELFAZ, DRF, DHBF, DPMA, DRFA, DAS, DCOD, DRCPIM, DDEF, DCAV, DPCA/Niterói e Polinter. Os presos e o material apreendido serão levados para a 21ª DP (Bonsucesso) e a 25ª DP (Engenho Novo).
Cerca de 100 agentes e um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal também participam da operação de no Complexo de Manguinhos e Jacarezinho. Agentes da Polícia Federal também apoiam a operação, com foco nas ações de inteligência. Há ainda a presença de ambulâncias do Corpo de Bombeiros, no atendimento pré-hospitalar.
Ao todo, 13 tanques da Marinha, de três modelos diferentes, e participam da operação. A Polícia Militar conta com 11 veículos blindados. De acordo com os fuzileiros navais, 177 militares estão no entorno das comunidades com os tanques. Eles dão apoio logístico aos policiais que participam da ação. Além dos veículos blindados, três helicópteros da PM são utilizados. O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, chegou à base da Marinha por volta de 4h, para acompanhar o trabalho dos militares, mas não falou com os jornalistas. O secretário deve dar uma entrevista coletiva às 11h.
Ruas vazias e clima de tranquilidade
Poucas horas antes da ocupação das comunidades de Jacarezinho e Manguinhos, na Zona Norte, o clima no interior das favelas era de tranquilidade, apesar da apreensão e ansiedade em torno da operação policial. De acordo com moradores ouvidos pelo GLOBO, no início da madrugada deste domingo, as ruas estavam vazias e silenciosas, mas, com a ocupação das forças de segurança, as pessoas foram retomando sua rotina. Antes da entrada dos policiais, as cracolândias que funcionavam no interior e nos arredores das áreas que serão ocupadas pelas forças de segurança estavam sem nem um usuário sequer, e as bocas de fumo foram abandonadas. No entanto, durante a operação, a Secretaria municipal de Assistência Social recolheu, 104 usuários de crack no entorno das comunidades do Complexo de Manguinhos e da Favela do Jacarezinho. Entre os retirados das ruas, 15 são menores.
O Centro de Operações da prefeitura do Rio divulgou, na madrugada deste domingo, as ruas que ficarão interditadas para o trabalho dos militares. São elas: Av. Dom Helder Câmara, na altura da Av. Ademar Bebiano e, na altura da Av. Leopoldo Bulhões; Av. Leopoldo Bulhões, na altura da Linha Amarela; Largo de Benfica; Estrada Velha da Pavuna, na altura da Rua Francisco Medeiros; e Rua Danke de Matos, na altura da Rua Manoel Fontenele.
A operação para pacificar o Complexo de Manguinhos foi confirmada neste sábado pela Secretaria de Segurança. As ações fazem parte da preparação para a instalação da futura Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Manguinhos, a 29ª do estado. Nas 28 UPPs do Rio, moram cerca de 400 mil pessoas. Segundo a secretaria, o Jacarezinho será apenas ocupado para apoiar o trabalho da PM em Manguinhos, e ainda não irá receber uma UPP.
A secretaria pede a colaboração dos moradores das comunidades, que devem apresentar seus documentos de identidade sempre que pedido, e afirma que é importante que a população ajude a polícia a localizar criminosos e esconderijos de drogas, armas e objetos roubados, ligando para o Disque Denúncia (2253-1177).
Região é uma das mais perigosas da cidade
A região é considerada um dos mais importantes redutos da maior facção criminosa do Rio. Foi dali que partiram os bandidos que, em 3 de julho deste ano, resgataram de dentro da 25ª DP (Engenho Novo) o traficante Diogo de Souza Feitosa, o DG. O criminoso é um dos chefes da venda de drogas na área. De acordo com o último Censo do IBGE, as duas comunidades têm cerca de 71 mil moradores: 36 mil em Manguinhos e 37 mil no Jacarezinho. A região fica perto de três importantes vias expressas da cidade: a Avenida Brasil e das linhas Vermelha e Amarela. Manguinhos também é conhecido por abrigar a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), um dos mais importantes polos científicos do país, e uma refinaria de petróleo.
Em 2007, a Favela do Jacarezinho ficou marcada pelo ataque a um trem onde estava uma comitiva com integrantes do governo federal e estadual. Dois ministros e um secretário estadual faziam o trajeto de inauguração das obras de revitalização do acesso ferroviário ao Porto do Rio, no Caju, Zona Norte, foram surpreendidos por tiros disparados por criminosos da comunidade. Os disparos levaram pânico aos passageiros. No trem estavam jornalistas e outros convidados, além dos ministros Pedro Brito, dos Portos, e Márcio Fortes, das Cidades. O secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, também participava da viagem. O governador Sérgio Cabral participou da inauguração, mas não fez a viagem de trem.
O entorno das favelas do Complexo de Manguinhos e do Jacarezinho amanheceu já nesta sexta-feira tomado por policiais dos batalhões de Choque e de Operações Especiais. A ronda se limitou ao entorno das favelas. Motoristas, pedestres e veículos foram revistados, mas não houve prisões ou confronto. Foram apreendidas 13 máquinas caça-níqueis.
Segundo o serviço de inteligência das polícias, com a ocupação de Manguinhos e do Jacarezinho, o Parque União, na Maré, e as favelas do Lins de Vasconcelos devem se tornar refúgios dos traficantes da maior facção do Rio, que já tinha perdido o Complexo do Alemão.
Como estratégia para a ocupação das favelas do Jacarezinho e do Complexo de Manguinhos, região considerada um dos mais importantes redutos da maior facção criminosa do Rio, as polícias Militar e Civil realizaram, na semana passada, operações em diferentes comunidades - como Juramento, Chapadão e Antares - para inviabilizar possíveis rotas e locais de fuga dos traficantes da mesma facção que dominava os Complexos de Manguinhos e Jacarezinho. Ao todo, 40 pessoas foram presas.
Somente a Polícia Militar prendeu 33 suspeitos. Uma grande quantidade de armas foi apreendida, sendo três fuzis, 14 pistolas, dois revólveres, uma metralhadora, uma escopeta e cinco granadas. A polícia ainda apreendeu 2.545 pedras e 1.174 gramas de crack; 86 frascos de cheirinho da loló; 9.373 pedras, 720 sacolés, 7.866 cápsulas e 40 kg de cocaína; e 10.954 trouxinhas, 51 tabletes e 4 kg de maconha.
Já a Polícia Civil, em duas operações da DCOD no Jacarezinho, apreendeu 1 mil cápsulas e 30 kg de cocaína, além de 230 munições de 9 mm. Um suspeito foi detido e um menor apreendido. Também foram apreendidos 21 veículos e outros três recuperados.
Na Nova Holanda, os policiais civis também prenderam dois suspeitos e apreenderam quatro máquinas caça-níqueis, 27 placas de computador, 32 noteiros, uma pistola e carregadores. Outro suspeito foi preso em Cabo Frio e mais três no Rio, um deles o traficante conhecido como "Big Big", irmão do DG.
Bope mata cinco em operação no Juramento
Uma operação do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) terminou com cinco suspeitos mortos no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio. A ação é parte da estratégia para evitar a fuga de bandidos do Complexo de Manguinhos e do Jacarezinho para favelas dominadas pela mesma facção criminosa.
Segundo a polícia, os suspeitos foram baleados em dois confrontos. Eles chegaram a ser levados para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiram aos ferimentos. A operação foi iniciada por volta das 5h e fez a apreensão de armas e drogas, que foram levadas à central de flagrantes, na 38ª DP (Irajá).
De acordo com o 38º BPM (Irajá), foram apreendidas 659 trouxinhas de maconha, 359 papelotes de cocaína e 407 de crack. Na ação, foram recolhidas também uma submetralhadora, três pistolas e três granadas de uso exclusivo das Forças Armadas.
FONTE: Agência O Globo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário