SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

29 de jun de 2012

PC JUIZ DE FORA-MG.


PCMG-JUIZ DE FORA: Polícia Civil prende 12 suspeitos de aplicar golpes em Juiz de Fora

Doze pessoas foram presas pela Polícia Civil, nesta quinta-feira (28), em Juiz de Fora, na Região da Zona da Mata, em Minas Gerais. Elas são suspeitas de participar de uma quadrilha, formada por ciganos, que aplicava golpes na venda de edredons e estavam hospedadas em uma pousada na Zona Norte da cidade. Imagens fornecidas pela polícia mostram o depósito onde os edredons ficavam guardados, na mesma região. O galpão foi alugado pela pousada que, de acordo com os policiais, não tem envolvimento no crime.

A mercadoria era transportada em 11 caminhonetes com placas de Americana, Franca e Campinas, no interior de São Paulo, e de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que foram apreendidas. Dez delas são importadas. Juntas, elas valem cerca de R$ 1,2 milhão. Os veículos rodavam apenas em comboio pela cidade, o que chamou a atenção de um policial. Ele acionou a delegacia e há dez dias a investigação teve início.

De acordo com a polícia, a quadrilha abordava pessoas nas ruas para vender edredons. A maioria delas era de baixa renda, que tinha cartão de crédito, mas não sabia usar. Na hora de finalizar a transação, eles digitavam valores maiores que o da compra.

Nos comprovantes recolhidos há cupons com venda de R$ 500, digitados muitas vezes no lugar de R$ 50, por exemplo. Outros tinham valores muito mais altos, e chegavam até R$ 3 mil. A polícia diz que muitas vezes os acusados se aproximavam dos clientes, ganhavam a confiança deles e conseguiam a senha.

Os suspeitos também diziam a elas que só fariam uma consulta para ver o saldo do cartão e finalizavam a transação. Durante a operação, 12 máquinas de cartão de crédito sem fio também foram recolhidas. Como elas só são liberadas para empresas com CNPJ, a Receita Estadual entrou no caso para ajudar na investigação.

As caminhonetes foram levadas para o pátio da Polícia Civil. Segundo a delegada que está cuidando do caso, o grupo já aplicou o mesmo golpe em outras cidades do país. Os presos devem responder a processos por estelionato e formação de quadrilha, além de crimes na área fiscal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário