SEGURANÇA PÚBLICA

SAIBA TUDO SOBRE A SEGURANÇA PÚBLICA!

26 de set de 2011

As entranhas da Policia Civil.


Futebol? Voley? Fórmula 1? MMA? Nada. Nosso esporte nacional é outro. O que mais gostamos de fazer no Brasil é falar mal. Não. Na verdade nós gostamos de falar muito, muito mal de qualquer coisa. E é inegável que algumas vitimas são preferenciais, e uma delas é…a Policia.

Eles não atendem quando chamados, não investigam, não fazem nada, são sujos, fazem bicos por fora, enfim, eles são corruptos! Pois na semana que passou eu tomei conhecimento de alguns fatos e sinto a necessidade de dividir tanta informação. E vou além. Eu preciso fazer esse mea culpa pois, também ignorando a cruel realidade, participei de criticas que hoje sei injustas.

Tudo o que abaixo está escrito foi a mim relatado por Policiais Civis, em dias seguidos, nos corredores do Fórum, aguardando audiências.

Você sabia que:

1) O policial civil no dia de hoje, ao acessar o Portal do Servidor, e checar o contracheque descobriu que o desconto da AmazonPrev, 14%, foi majorado para 18%? Na prática, um investigador ou escrivão que recolhia R$ 330,00, passou a recolher R$ 570,00. Dá pra acreditar?

2) Algumas delegacias especializadas como a DEHS (Homicidios) e DERFD (Roubos e Furtos), pela complexidade do trabalho que executam, pela carga horária diferenciada, vez que muitas vezes não há expectativa para o fim de uma investigação, que pode durar dias, recebiam um adicional de aproximadamente R$ 450,00 líquidos. Um policial recém-nomeado, insatisfeito por não compor quadro de delegacia especializada e por não receber o citado valor, foi ao Ministério Público denunciar o que entendeu ser uma grave irregularidade. Como consequencia, o MP determinou que a SEAD suspendesse o pagamento do adicional.

Agora vamos fazer as contas: nesse mês, além de pagarem quase R$ 300,00 a mais de recolhimento para a AmazonPrev, ficarão também sem receber os R$ 450,00 do adicional, ou seja, uma redução salarial de aproximadamente R$ 800,00, um valor absurdo para a atual remuneração da força policial.

3) Policiais relatam que a insituição não tem armas, munição, coletes e nem algema. Todos relatam estarem impressionados com o fato de o Estado nomear novos e tantos policiais sem ter feito uma previsão do básico necessário para os policias trabalharem. Segundo um grupo de insatisfeitos investigadores, a Delegacia de Homicidios possui aproximadamente 60 policiais distribuídos entre equipes, e que, pasme, possuem apenas 3 pistolas, 50 munições, 1 submetralhadora e 2 espingardas calibre doze, além de seis coletes à prova de bala estilo “baby look” que foram comprados errado, e que só servem nas mulheres. Eu não consigo imaginar como essa delegacia atende a todos os homicídios da capital. Ou melhor, agora eu entendo que são bravos heróis por solucionarem mesmo um caso.

4) Como consequencia da inexistência dos itens básicos de defesa e segurança, os agentes informam que, não raras vezes, dão cumprimento a mandados de busca e apreensão sem portarem armas, uma vez que a arma estava com outro colega, que cumpria outra diligência. Sem poder esperar, saem desarmados. É isso mesmo, quando um policial quer usar uma pistola tem que esperar sua vez.

5) E mesmo com tudo isso, você sabia que o Governador Omaz Aziz goza de imenso prestígio, credibilidade, junto ao grupo? Eles acreditam que o governador vem sendo enganado, induzido a erro, pois os tais duzentos milhões em segurança pública ainda não foram mostrados para os agentes, mas que aquele recebe informação falsa.

6) Por motivos óbvios o último concurso exigiu nível superior, mas até o presente momento os novos policiais estão recebendo o mesmo salário de quem passou para nível médio.7) Essa é um dos piores constrangimentos impostos aos agentes: os novos policias que já possuíam título de pós ou mestrado não recebem a gratificação que teriam direito, conforme o estatuto, pois há uma interpretação, errônea do estatuto na qual só tem direito a gratificação de curso quem o concluiu depois de ter tomado posse. Por conta disso, a grande maioria que já possuía pós-graduação esta se vendo obrigada a cursar outra pós. Um dos casos mais grave é de um investigador que passou no concurso em excelente qualificação e já possuía mestrado antes da posse e não está recebendo a gratificação com acréscimo de 20% nos vencimentos que teria direito. Será que o agente terá que estudar mais quatro anos para concluir outro mestrado para só assim fazer jus à gratificação de curso? Ou pior, terá que cursar um curso de pós graduação, mesmo já possuindo um mestrado? De fato, é inacreditável.

8 ) Outra situação critica seria a convivência entre os agentes mais antigos e os comissários que foram elevados à condição de delegados por ato do Governador Eduardo Braga, sem realização de concurso. Segundo o grupo, nenhum servidor os reconhece como delegados, pois entendem que foi mais uma aberração em concursos públicos no Estado, e que, uma vez constantemente ameaçados pela Adin, que um dia os destituirá do cargo, não participam de nada relevante para a classe, como greves.

11) O “troco” para a situação acima descrita é o fato de os novos aprovados no concurso já terem ingressado há mais de tres meses, com pedido de filiação à ADEPOL e até agora não terem obtido resposta. Os delegados elevados pela lei estariam à frente da ADEPOL e estariam travando a entrada dos novos membros.

Computadores ultrapassados e sem manutenção, cheios de vírus, o que leva, por diversas vezes à perda de páginas e mais páginas de oitivas digitadas. Itens de uso diário como perfuradores de papel, grampeadores, extratores de grampo, são artigos de luxo e só tem se o escrivão meter a mão no bolso para comprar. Todas as requisições encaminhadas para a Delegacia Geral recebem a mesma resposta: estamos comprando.

Enfim, como eu menconei no inicio do texto, tudo o acima descrito é noticiado por agentes de policia, de diversas delegacias, todos que, em conversa pelos corredores do Fórum, desabafam e demonstram claramente o descontentamento diante da caótica situação.

Some-se a isso problemas familiares, financeiros, vez que o salário que recebem não é suficiente para pagar as contas. Ou seja, ou fazem “bicos” para complementar a renda ou convergem para a banda podre da força. Preocupante.

Espero que, com esse novo olhar, com essa visão do interior da força policial, considerando serem reais todos os argumentos, possamos, ao invés de criticar e falar mal, exigir, cobrar mais estrutura e melhores condições, sempre.

FONTE:Diário de um Advogado Criminalista.
POR:Christhian Naranjo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário